Com dificuldades em trabalhar remotamente? Nós ajudamos!
sente dificuldade e precisa de ajuda?

Trabalho Remoto

Já lá vão mais de 6 anos. O tempo passa rápido demais!

Após muitos altos e baixos e uma adaptação que me levou quase ano e meio, consegui arranjar algumas estratégias para me sentir confortável a trabalhar a partir de casa sem que isso afetasse quer o ritmo de trabalho, quer o bem estar em momentos de relaxamento.

Certo é que neste país quem se aventura a arrancar com um negócio, ainda para mais após perder o pouco que tinha e ter ficado endividado, digamos que é um desafio num nível “hardcore”! Mas essa história já foi contada na primeira publicação “Olá, mundo!” no nosso blog, portanto não vou voltar ai.

Indo ao que verdadeiramente interessa aqui, o “papão” do teletrabalho.

Começo por falar num pequeno estudo feito recentemente pela Worx sobre o impacto do COVID-19 para quem trabalhava em escritórios e se viu agora forçado a trabalhar a partir de casa. São dados muito curiosos que até a mim me deixaram surpreendido, ora vejamos alguns:

  • 89,4% considera que os colaboradores estão motivados
  • 86,4% vêem o teletrabalho como uma tendência futura
  • 83,3% consideram que o teletrabalho mantém a produtividade da empresa
  • 36,4% dizem inclusive que vão repensar o espaço físico na própria empresa

São dados muito interessantes que parecem finalmente vir a marcar o ponto de viragem de algo que, na minha opinião, peca já por vir tarde.

Já nós na MAIDOT juntámos a equipa e fizemos, à nossa maneira, um brainstorming sobre este tema. Quero com isto dizer que falámos por vídeo conferência, cada um a partir da sua casa, como fazemos há já vários anos claramente com resultados positivos

Dessa troca de ideias surgiram algumas que aproveito agora para partilhar, na perspetiva de tentar ajudar quem se vê agora forçado a trabalhar a partir de casa e, principalmente, para quem nunca teve que o fazer.

Assim, aqui ficam algumas dicas:

1. Ter um espaço próprio

Este é o ponto que coloco em primeiro lugar pois é, na minha opinião, o mais importante! É crucial encontrar em casa um local onde tenha os seus cadernos, dossiers, computadores, etc. O perfeito mesmo é ter um local fora da casa que seja o escritório/área de trabalho. Um anexo ou algo do género. No entanto nem toda a gente tem essa sorte, portanto se tiver a possibilidade de fazer de uma divisão da casa o seu escritório, já é bastante bom.

Se nenhuma dessas hipóteses for possível no seu caso (como me aconteceu a mim próprio no início da empresa), resta a opção de arranjar um “canto” em casa que seja o “local de trabalho”.

No meu caso, quando iniciei a empresa, estava a viver num apartamento T1 com a minha mulher (namorada na altura). Usava uma ponta da mesa da sala para ter o portátil e alguns papeis, devidamente organizados, que ao fim do dia de trabalho arrumava sempre para “fechar aquela zona”. Ou seja, é uma questão meramente psicológica.

Também tentava evitar estar naquela zona fora dos momentos de trabalho. Embora tenha sido difícil inicialmente pois face a tudo o que se passou trabalhava em média 14 a 16h por dia, 7 dias por semana.

2. Estabeleça o seu horário de trabalho

Sempre que possível, deve definir o seu horário de trabalho de modo a que consiga conjugar com tudo o resto. Por exemplo, quem tem que realmente cumprir um determinado horário porque tem que, por exemplo, atender ou realizar chamadas, nesse caso não existe propriamente flexibilidade. Mas para quem tenha a possibilidade de escolher o seu horário de trabalho, deverá conjugar com o resto da família, para poder ter tempo para estarem juntos.

Estabelecer um horário é igualmente importante para não se tornar num “workaholic”, que para quem trabalha a partir de casa e, principalmente, para quem gosta do que faz, corre um sério risco de cair nesse erro.

Mas também é igualmente importante para quem não gosta do que faz, pois evita ter que arrastar o trabalho por estar a procrastinar, sabendo que tem aquele período de trabalho para cumprir as tarefas e não mais do que aquele tempo.

3. O pijama é só para dormir

Há quem, por estar em casa, tem por hábito ficar sempre de pijama. Isso não tem qualquer problema, se estivermos de férias, num feriado ou durante o fim de semana. Eu pessoalmente não gosto, assim que me levanto a primeira coisa é vestir-me. Mas há muita gente que gosta de andar de pijama por casa.

Isto é um risco pois é algo que psicologicamente associamos ao descanso. Ficarmos de pijama e irmos trabalhar é um ponto negativo pois significa que estamos a misturar laser com trabalho, o que tendencialmente poderá vir a prejudicar os momentos de relaxamento por não ter algo para se desligar.

4. Mantenha o frigorífico sob controlo

Isto serve para ambos os sentidos, não comer em demasia mas também não se esquecer de comer. Este segundo pode ser pouco comum, mas também se aplica.

É importante que aqui neste sentido haja uma auto disciplina muito grande. Seja para quem tem bastante apetite como para quem tem falta dele, a solução será a mesma para ambos os casos. Criar uma lista e horários para saber o que pode comer e em que momentos.

Isto ajudará não só a ter noção do que come, mas quando e em que quantidades. Desta forma será bastante mais fácil ter uma alimentação saudável, com o organismo devidamente regulado por comer sempre a horas e várias vezes ao dia.

É importante estar sempre com água por perto para ir bebendo ao longo do dia.

5. Lembre-se de se levantar

Esta é outra regra de ouro! Para quem trabalha a partir de casa ou para quem trabalha em qualquer outra profissão que exija estar muito tempo sentado.

Enquanto somos novos nada disto importa, pois não nos doí nada e nem pensamos sequer nas consequências a longo prazo. Mas a verdade é que a coluna vertebral ao longo dos anos vai-se deteriorando e a posição de estar sentado não é o ideal e mais tarde, caso não façamos nada, terá uma grande probabilidade de vir a ter sérios problemas correndo um sério risco de ter que se recorrer a operação cirúrgica para o tratamento e alivio das dores.

Mas não só a coluna sobre, também várias articulações do corpo tal como nos pulsos, joelhos, etc.

No fundo, é importante que a cada 40/50 minutos de trabalho, relaxemos levantados durante no mínimo 5 minutos. É uma disciplina que, como qualquer outra, ao nos habituarmos fazemo-la de forma automática.

6. Faça exercício

Neste período em que estamos a lançar este artigo, em plena pandemia do COVID-19, naturalmente que este ponto não pode implicar sairmos de casa devido ao isolamento social a que temos que fazer, pelo bem comum de todos nós.

Contudo, só não fazemos exercício em casa se não quisermos. Hoje em dia não há absolutamente desculpa nenhuma para não se fazer exercícios em casa. Existem muitos canais no YouTube que dão excelentes dicas e também páginas de ginásios no Facebook e Instagram que vão dando algumas dicas.

Criar uma regra para fazer treinos, no mínimo, 2 vezes por semana, ajuda a energizar o corpo e a mente. Sim, porque ao contrário do que muitas pessoas pensam, quem pratica exercício na verdade sente-se com mais energia do que os que não praticam.

Uma dica para quem passa todo o dia sentado e criou, por esse motivo, uma má postura, é praticar pilates. Ajuda a corrigir a postura e a criar flexibilidade, que é perdida para quem passa muito tempo agarrado à cadeira.

7. Enquadre os seus filhos sobre o conceito

Para quem tem filhos, é extremamente importante educá-los logo de início para respeitarem o seu espaço de trabalho e os momentos mais importantes, por exemplo, aquando estiver numa reunião por vídeo conferência.

Para que entendam a necessidade de concentração durante o período de trabalho, é preciso explicar calmamente que o pai, a mãe ou ambos precisam de trabalhar sem muito barulho para poderem falar com outras pessoas e conseguirem ganhar dinheiro para depois poderem comprar as coisas para casa.

Uma forma de os integrar e, ao mesmo tempo, brincar com eles fazendo-os entender um pouco do que é trabalhar em casa, é simularem na brincadeira uma reunião com eles. Darem-lhes pequenas tarefas para se sentirem úteis e ocupados, como por exemplo arrumar as canetas, arrumar folhas num dossier, colocar etiquetas em livros, etc.

8. Luz

Este é também um ponto muito importante. Sempre que possível, deve optar por ter muita luz natural no local onde estiver a trabalhar. Naturalmente que, por uma questão de menor cansaço visual, deve evitar ter a luz muito forte a incidir sobre o ecrã do monitor, mas luz natural é bastante importante.

9. Olhar para longe

Este é também um aspeto importante para evitar a fadiga ocular (a minha mulher se ler isto vai ficar orgulhosa por eu estar a usar este termo, ela trabalha na área). Sempre que possível, deve tentar ir olhando a cada 20/30 minutos durante sensivelmente 10 segundos para longe. Mas olhar para longe não significa desviar o olhar para o pacote de bolachas que está ao lado do ecrã e ligeiramente afastado para não nos sentirmos muito tentados a ir lá mas suficientemente perto para esticarmos o braço e alcançarmos.

Olhar para longe é, preferencialmente, para a rua. Quem viver no campo normalmente é fácil, desde que tenha uma janela para a rua por perto do sítio onde trabalha. Para quem estiver em algum apartamento, pode ser mais complicado mas independentemente do caso, é inclusive uma boa oportunidade para, caso não tenha janela no local de trabalho, levantar-se e aproveitar para se esticar um pouco. Assim junta duas dicas importantes.

10. Ter os meios e equipamentos minimamente adequados

Este é um aspeto importante acima de tudo para quem trabalha com necessidades específicas a nível tecnológico. Por exemplo, alguém que trabalha com a internet, que necessita de transferir grandes volumes de dados ou de realizar várias vídeo chamadas, necessita de um acesso à internet ligeiramente melhor.

Alguém que trabalha com edição de vídeo ou de imagem, por norma precisa de um computador mais potente.

Contudo alguém que trabalhe maioritariamente com ficheiros Word e Excel localmente no computador, não tenha grande necessidade de fazer muito mais nem de andar a navegar na internet, estes requisitos acabam por não ser tão relevantes.

Em qualquer um dos casos, ter um equipamento minimamente decente oferece menor frustração durante o período de trabalho e maior rapidez para quem conseguir tirar proveito.

 

E estas são as 10 dicas da equipa MAIDOT para se trabalhar a partir de casa.

Já sabe, durante este período de pandemia do COVID-19, #fiqueemcasa e mantenha-se protegido com os devidos cuidados. Cuide de si, porque dessa forma estará a cuidar de todos. Se todos fizermos um esforço, tudo voltará à normalidade mais rapidamente.

Obrigado e partilhe connosco os seus métodos nos comentários. 🙂

Categoria: Curiosidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Procura algo semelhante? Fale connosco!

Nome *

Email *

Contacto *

Quer deixar algumas palavras adicionais? *

* isto apenas significa que é obrigado a escrever qualquer coisa

MAIDOT website CSS Reel Award for Winner and Site Of The Day
MAIDOT website CSS Winner Award for Nominee and Site Of The Day